Isso não é Libertadores (por Luis Brito)

terra

Episódios de violência, confusão, baderna e vandalismo estão se tornando comum nos jogos entre times sul-americanos. A Conmebol chegou a ser rude com alguns casos, punindo alguns clubes, fazendo com que cada um que se envolvesse em confusão pagasse de alguma forma, alguns com multas em dinheiro e outros com o estádio vazio em dias de jogos, mas logo recuou e absolveu algumas punições, como com quem joga poeira e sujeira por debaixo do tapete, isso não pode ocorrer e deveria ter punições mais justas e rígidas, episódios como o que ocorreu na noite de quinta passada (18/04) no Chile, não podem acontecer, a competição é continental e grandiosa para tal vandalismo e violência.

Imaginem algo parecido na Champions League, uma das maiores competições do mundo; não precisam nem pensar, eu vos lembro de que na última partida entre Real Madrid e Manchester United, válida pelas Oitavas-de-final que ocorreu em Manchester no dia 5 de março, duas expulsões ocorreram, uma delas do Jogador Nani e outra do coach Alex Ferguson, mas a punição de Ferguson foi boba pois o treinador não quis atender a mídia pós-jogo e foi punido em 10 mil euros.

Outra punição – essa mais rigorosa – ocorreu em 1985, em um confronto entre Liverpool e Juventus válida pela Copa dos Campeões da UEFA, precursora da UEFA Champions League. O episódio ficou conhecido como “A tragédia de Heysel”:  os “torcedores” chamados Hooligans ingleses, foram considerados responsáveis por começar atos de violência onde resultou na morte de 38 pessoas, consequência da pena? Cinco anos fora de competições europeias.

Cenas como as que aconteceram pela Libertadores ainda em progresso não podem ser aceitas, ou serem vistas como NORMAIS, pois o termo “Isso é Libertadores” se tornou comum, e faz com que qualquer confusão seja aceitável.

O Arsenal-ARG, que já protagonizou cenas de violência na Argentina em 2011, contra o Fluminense, voltou a aprontar, agora em Belo Horizonte, na partida contra o Atlético-MG.

Além dessa onda de argentinos, o chileno Huachipato foi protagonista de cenas horríveis ao final da partida onde resultou a eliminação da equipe na Libertadores. No final da partida, os jogadores partiram pra cima dos jogadores gaúchos e comissão técnica, onde até mesmo o Professor Luxemburgo levou um tombo e quase foi um UFC em cima do treinador.

É lamentável, mas a Libertadores se tornou uma competição de forasteiros, onde só sobrevivem os fortes ou os que tiverem valentões e não bons jogadores. Escrevi isso tudo sem citar os problemas que o Tigre-ARG provocou na final da Sul-Americana contra o SPFC.

Lamentável, lastimoso, detestável, deplorável, infeliz, desprezível.

Isso NÃO é Libertadores.

Luis Brito

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @datluis

Imagem: terra.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres