Fluminense 0 x 1 Palmeiras (por Paulo-Roberto Andel)

Complicados o primeiro tempo e o resultado parcial. Embora o jogo tenha sido brigado e disputado, o Fluminense pouco ameaçou o gol de Prass, sem fazer valer sua condição de mandante. É claro que o cansaço da volta de Quito pesa, naturalmente, mas também conta a anemia técnica que temos sofrido nas últimas rodadas do Brasileiro. A verdade é que estamos sem soluções criativas e velocidade, marcos do Flu em suas melhores exibições deste ano.

O Palmeiras começou abafando nos primeiros quinze minutos, complicando a saída de bola e o toque do Fluminense. Depois, a coisa ficou menos feia mas atacamos muito pouco, com finalizações mascadas. E quando o jogo estava razoavelmente equilibrado, Egídio, livre, acertou um chutaço e abriu o marcador para o time paulista, que desceu tranquilo para o vestiário.

Abel começou a partida tentando, ao efetivar Robinho no lugar do paradíssimo Wellington Silva, sem conseguir o efeito desejado na primeira etapa. Foi pouco, mas tentou. Era preciso muito mais para bater o campeão brasileiro. Quem sabe um rápido papo de instruções no vestiário não melhorasse as coisas? É, quem sabe?

Segundo tempo, o Flu sem alterações precisando virar o jogo de qualquer maneira. E voltou mais animado, pelo menos rondando a área palmeirense nos minutos iniciais. Como resposta, levou uma bola na trave, respondendo depois com um chute forte de Douglas, defendido por Prass. Para tentar a virada, Abel apostou em Marlon Freitas, saindo Orejuela, e… Wellington Silva, trocado por Robinho. Com uma certa cara de mais do mesmo, até por não dispor de alternativas, lá ia o Fluminense em busca da reação. Sem sucesso, nosso treinador tentou a última cartada com Sornoza, saindo Douglas. Efeito zero.

Nos quinze minutos finais, timidamente o Fluminense tentou o ataque, praticamente sem concluir. Repetiu as falhas de partidas anteriores e agora tem pela frente Grêmio e Gávea, precisando vencer a todo custo.

A prioridade é o Brasileiro e, agora, a desagradável luta para se afastar definitivamente da zona de rebaixamento, ora pontuando, ora torcendo contra times mais abaixo – caso do Bahia, daqui a pouco, contra o Grêmio. De novo. Era para ser muito diferente, muito mesmo.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @pauloandel

Imagem: cezar guedes

10 Comments

  1. Colocar esse Wellington Silva é inútil. Tava na cara. Não deu certo na Europa, já caiu de produção aqui. Podia jogar cinco horas contra o Palmeiras que não empatava.

  2. A realidade é luta contra o rebaixamento. Clube fudido, sem dinheiro, tinha que ter trazido pelo menos três reforços. Só com garotada não dá. ST

  3. Hola Tricolores;

    O time não apresenta poder de reação. O núcleo gestor não tem a maturidade de assumir o clube na atual condição, talvez fosse diferente para gerir condição outra que seria de alteridade com viés de alta, o que não se aplica nesse caso.
    Mesmo assim, se colocar esse lateralzinho do palmeiras para chutar 500 bolas ele nunca vai acertar outra dessas. Pelo resto da vida e da carreira. Como foi o gol contra o vasco. Gol parecido.
    Temos que reagir, sinal vermelho ligadíssimo…

  4. Na hora que o Fluminense se apequenar de vez e virar uma peça de folclore no futebol brasileiro, assim como América e Bangu, eu quero ver se algum desses caras e aqueles que ainda defendem a “gestão” estarão nas arquibancadas das Bariris e Ítalos del Cimas da vida…

    Marcelo Teixeira é a maior enganação da história do Fluminense como dirigente. Sempre foi. Só faz política dentro do clube com historinhas e falácias.

  5. Esses babacas da oposição queriam o time “reforçado” por Danilinho, Welington Abraço e Willian Matheus
    .. VSF

  6. Esta dificil e todos nos sabiamos que seria assim.
    O Time é jovem, cansado e sob pressāo.
    Paciencia e trabalho.
    Aqueles que denigram os jovens jogadores, planejam invadir o CT e imploram à ajuda de um Papa morto, demonstram apenas o grau da sua imbecilidade.
    O verdadeiro Tricolor aparece quando seu apoio é necessario.
    Quem ama não mata.
    O Fluminense é uma paixāo que vem de dentro!
    ST

Responder Sergio Cancelar