Chega de demanda! (por Felipe Fleury)

CENAS DO CENTRO DO RIO II – CLIQUE AQUI 

O Fluminense não precisa de executivos, nem de mentirosos. Desde que o presidente Abad assumiu a presidência do clube, no entanto, e à medida que o clube mergulha no abismo, é do que mais se tem ouvido falar: da contratação de executivos e de comunicados mentirosos que tentam dissimular as sucessivas gafes, para dizer o menos, da sua administração.

O que falta ao Fluminense são profissionais que entendam de futebol e da gestão de um clube enorme como o Tricolor, esta, sim, a verdadeira profissionalização. O Fluminense não é uma empresa que presta serviços ou comercializa produtos, não existe para dar lucro. O Fluminense precisa ser autossuficiente e, para isso, precisa ser gerido por quem entenda de futebol, não por um CEO com vasta formação acadêmica e nenhum traquejo no comando de um clube esportivo.

Desde 2017, a palavra que mais se tem ouvido nos corredores das Laranjeiras é austeridade. Todos vimos aonde a austeridade quase nos levou ano passado, mas era de se esperar que tamanho sacrifício justificasse, pelo menos, um elenco à altura do Tricolor em 2018. Não foi, porém, o que aconteceu. A temporada já começou e o Flu perdeu seus melhores jogadores, e não repôs nenhum à altura dos que saíram. Pior, tanta austeridade não provocou nem mesmo a necessária responsabilidade com o patrimônio do clube, dilapidado por condutas absolutamente inconsequentes, como, por exemplo, a revelia na ação trabalhista movida pelo ex-treinador Levir Culpi e a perda – sem qualquer retorno para o clube – do seu maior ativo, Scarpa, embora a questão ainda não esteja definitivamente solucionada. No caso Scarpa, tão grave quanto a perda do jogador foi o comunicado mentiroso de que as dívidas haviam sido quitadas. Mentiras, aliás, que têm se tornado a tônica no Flu, como no caso da dispensa de Cavalieri.

Um Tricolor definiu bem a coletiva de Abad se desculpando pela forma precipitada e nada fidalga com que se deu a dispensa de sete jogadores: patética. Não se discute a necessidade de eliminar despesas, sobretudo aquelas que estavam fora do patamar financeiro do clube, mas, num se houvesse uma gestão séria, a reposição seria imediata, observando-se nomes promissores – e baratos – do mercado nacional e sul-americano. E isso não é função de CEO ou de qualquer outro executivo, nem por vice de futebol pouco afeito ao mercado da bola. É função do bom e velho “olheiro”, algo que o Flu parece que não tem.

Pela primeira vez em muitos anos, o Fluminense inicia uma temporada não sendo candidato a nada, decepcionando o seu torcedor que esperava que todo sofrimento de 2017 fosse recompensado com uma campanha melhor em 2018. Pior que a decepção é o temor, real, de que o time – com um elenco ainda mais fraco do que o já frágil elenco da temporada anterior – seja a chacota de todas as competições de que participe, o que, invariavelmente, poderá custar a permanência na elite do Brasileiro ao fim do ano.

Abel prometeu um time competitivo, mas isso Abel não pode prometer. Competitividade seria possível se houvesse um elenco minimamente razoável à sua disposição. O que Abel pode prometer, com o que tem, é brio. Algo, talvez, como o que se viu no segundo tempo contra o Botafogo. Nada além disso.

Nem mesmo o patrocínio master deverá ser suficiente para tirar o Flu do atoleiro financeiro, até porque, quando não são anunciados os valores que o clube receberá e se sabe que a mesma empresa, que é master no Flu, é manga de camisa do Corinthians, a grana não deve ser muita. De qualquer forma, é algum dinheiro e será bem-vindo.

Não dá nem mais para dizer que Abad é um cara isento cercado de irresponsáveis. Se é ele quem manda – e deveria ser -, essa turma de ineptos só está arrasando o Flu por sua culpa, e isso também lhe dá a pecha de incompetente. O Fluminense não é para amadores, nem para aqueles disfarçados de executivos e outros engomados do departamento de futebol. Ou se profissionaliza o clube com quem realmente entende de futebol, a começar pelo seu presidente, ou esse bando de amadores destruirá o Fluminense.

Digo isso depois de um ano pacientemente esperando que as promessas de Abad se concretizassem, sem compromisso ou rabo preso com qualquer grupo político. Sou apenas um torcedor cansado de ser feito de trouxa.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @FFleury

#JuntosPeloFlu

Imagem: F2

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres