Bagunçando o Laranjal (por Fillipe Souza)

bagunçando 888

hardy

Existe um grupo dentro da torcida do Fluminense, e acredito dentro de qualquer clube, que só consegue ver as coisas pelo lado negativo. E em qualquer oportunidade, vociferam nas redes sociais com quem é contra a opinião deles.

Quem não lembra do “Fora Abel”?

Time líder, campeão brasileiro com 5 rodadas de antecedência, e alguns diziam que se tratava de um técnico “sortudo”. Deu férias ao elenco já campeão, perdeu 3 jogos e lá estavam: “Fora Abel”.

Hoje em dia é bonito falar em “mercenário”. O que é ser mercenário?

Se o Conca tinha proposta e saiu, só ele sabe o que é melhor pra ele e pra família dele. Os xiitas esquecem o passado do cara, e só conseguem enxergar um palmo além da cara. Mas ao receberem uma proposta de emprego pra ganhar duzentos reais a mais, largam a empresa e partem em busca de algo melhor. “Mercenário? Que nada, tenho que pensar na minha família.” Conveniente, não?

A Unimed já é passado, o Celso só quer aparecer e fazer birra, que é o que ele sempre soube fazer de melhor. É bola pra frente, quem quiser ficar, será bem vindo, quem quiser sair, a porta está aberta. A ou B são mercenários? Não creio. Também pensaria na grana e na minha família. Não curto taxar ninguém de mercenário sem olhar meu próprio umbigo.

“Pode acontecer muita coisa. Falando de mim? Vou ficar. Está certo, tenho mais um ano de contrato, tive algumas propostas de clubes paulistas, outros clubes, mas nada me agradou e quis permanecer.  Tranquilo, família bem, feliz. Se outros saírem vamos perder jogadores de qualidade, sentir falta, sim. Mas no futebol ninguém é insubstituível. Sabemos que vai ser difícil, complicado, mas segue-se em frente. A Unimed saiu, veio o novo patrocinador depois de 15 anos. Temos de pensar dessa maneira. Se vai ser bom ou ruim, vamos descobrir ao longo do tempo. Se alguém sair, que seja feliz e vamos tocar a vida. Se ficarmos chorando, não vamos conseguir seguir.”

Sabem de quem é esse discurso? De um cara que está no Fluminense desde 2012. Não joga pra torcida, não aparece no Globoesporte (só tomando chopp com o Bruno).

Esse discurso é do Wagner (foto). É o discurso que todo tricolor deve ler e reler. Principalmente a última frase. Não adianta chorar, já dizia o Latino.

wagner

A notícia que corre é a reintegração do Wellington Silva ao grupo. Jogando com uma perna, é melhor que o Renato e o Julião juntos. Mas os Hardys dirão que ele é mulambo e bla bla bla…

Enquanto escrevia, fiquei sabendo que o Fred tinha uma proposta da China. Minha opinião? Deveria sair. Mercenário? Ih, não aceitou? Então não é…

Recebi uma mensagem via Facebook pedindo pra falar sobre o Cristóvão. Não tenho o que falar sobre o Cristóvão. Nunca ganhou nada e é negro. O suficiente pra gerar desconfiança de muitos. Existe algum técnico disponível que vá ganhar o mesmo que ele? Celso Roth? Adilson Batista? Deixa o Cristóvão. A única coisa que percebo nele é a implicância com o Cícero, que era sempre sua primeira opção de substituição nos jogos no ano passado. E, na maioria das vezes, o time caía de rendimento. Por outro lado, o futebol mais bonito do Brasil, após a Copa, deve-se muito ao Cristóvão. Enfim, é aguardar.

Abraço a todos.

Fillipe Souza não faz piadas com mercenários. Só com os que mexem com pau, os marceneiros.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

#SejasóciodoFlu

Copa

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres