As antigas expectativas (por Mauro Jácome)

DOWNLOAD GRÁTIS – LIVRO – COPACABANA CITY BLUES

DOWNLOAD GRÁTIS – LIVRO – PEQUENOS RELATOS DA OPRESSÃO

Lembro que até a minha adolescência, um pouco mais, tinha muitas expectativas no início das competições. Não só com o Fluminense, com os adversários também. Quem contratou quem, quem desbancou os demais com “a contratação”. Rivelino. Quem não lembra da euforia pela chegada do cracaço? Ainda mais com Paulo César, Marinho Chagas, Dirceu, Carlos Alberto Torres, Renato, não necessariamente nessa ordem. Passado algum tempo, após a Máquina começar a apresentar aquele futebol, conhecemos quem era Gil. O Búfalo Gil não era mais o Gil do Villa Nova de Nova Lima.

Outros tempos. Até 1980 conseguiu motivar o torcedor tricolor. Delei, Mario, Robertinho, Zezé, comandados por Edinho e Claudio Adão. Interessante comparar as lembranças de antes desses meninos estourarem e de depois que foram campeões. As lembranças do começo da trajetória deles não são fáceis, pelo contrário. A impressão é que nasceram craques e consagrados.

Nunca esquecerei 1983. Via aquele monte de desconhecidos chegando. Branco, Jandir, Tato, Leomir, Vânder, Ronaldo, despertavam mais desconfiança do que esperança. E o otimismo convicto do meu pai com o título do Campeonato Carioca me irritava. “O Fluminense vai ser campeão!”. Aquela certeza de Nelson Rodrigues não se encaixava com minha expectativa. Mais um Carioca medíocre. “O Fluminense vai ser campeão!”. Essa profecia me perseguiu até os quarenta e cinco minutos daquele Fla x Flu. Eu olhava para ele, com uma cara de cobrança que nunca seria paga, e ele respondia com uma certeza que o iminente apito final do Arnaldo Cesar Coelho não deixaria concretiza-la. Depois do gol de Assis, esqueci a profecia por anos.

A partir dos rebaixamentos, meus parâmetros mudaram por alguns anos seguintes. Qualquer coisa era motivo de alívio. Talvez, as expectativas só mudaram com os tempos de Unimed, mas eram diferentes. Sei lá, faltava identidade. Outros tempos no futebol. Ali o jogador não absorvia a camisa tricolor como algo que se misturaria à alma. Gostava mesmo era das antigas expectativas.

Panorama Tricolor

@PanoramaTri @MauroJacome

#JuntosPeloFlu

Imagem: jam

2 Comments

  1. Sou mais novo, mas como era bom aguardar a chegada nas bancas e ler o Jornal dos Sports, cor-de-rosa, ali no começo dos anos 2000, na esperança de ver ressurgir o Fluminense daquilo que sempre foi em sua história.

Comentário