Abrace esta ideia (por Thaiza Galvão)

IMG_20150402_214131

Sabe do que eu gosto? De um bom e simples abraço.

É muito bom ser abraçado, não é mesmo?

Queridos leitores, vou compartilhar com vocês um pensamento que sempre tenho, não sei se concordam ou discordam, só quero que pensem sobre o assunto, que é simples e direto.

Uma das coisas mais simples e belas que se pode ganhar é um abraço.

Não há tristeza que um abraço não cure.

É bom ser abraçado por quem amamos e admiramos, não é mesmo? Vocês devem estar se perguntando aonde quero chegar com isso. Pois bem, vamos lá.

O segundo melhor abraço do mundo é o abraço tricolor que eu ganho no Maracanã. Muitos perguntam abismados: “Você ama o abraço de um desconhecido?” e eu digo prontamente que sim.

Por que é o segundo melhor abraço do mundo?

Bem, você sai de casa, pega a sua condução e vai para o jogo. Encontra amigos, conhecidos e até entrar dentro de casa (Maracanã) vocês conversam no portão uma boa parte do dia; daí entram todos juntos para festejar e fazer aquela bagunça. Sempre tem o amigo atrasado, mas ele chega e completa a festa. Vocês matam as saudades, relembram jogos e histórias, e isso vem acompanhado de risadas e abraços, não é mesmo? E é bom demais ser abraçado!

Agora, e o abraço do desconhecido? Você está no meio de uma multidão, histórias, vidas que se cruzam em prol de uma paixão inexplicável que é o Fluminense. Todos os problemas são esquecidos, mesmo que momentaneamente. O foco é vencer sempre, mas você está ali na vitória ou na derrota.

O abraço de um tricolor desconhecido é ótimo e tem de ser valorizado, sabe por quê? É um abraço sem trocas de interesses.

O Fluminense faz um gol, você enlouquece. Pode abraçar seu amigo, mas você ou o tricolor desconhecido se abraçam, e é um abraço apertado, e os dois gritam feito duas crianças que brincam daquela famosa pelada de rua, onde as traves são os chinelos ou uma pedra qualquer, os pés descalços e a roupa suja, demonstrando entrega ao jogo.
Passa-se o tempo, e os dois estão cantando juntos “Desde que eu nasci, te acompanhei” e não são só os dois e sim um fileira inteira, que se formou após um gol. Você olha para o seu amigo, para as pessoas que nunca viu e sorri, sorri feito uma criança.

Imagine um abraço e sorriso sem troca de interesses, esse é o abraço do tricolor desconhecido: ele não te conhece, não sabe o seu nome, mas está ali te abraçando, transmitindo a paz, a esperança e o vigor unido e forte pelo esporte.

Você não sabe se ele é Pedro, João, Ygor ou Marina, mas vocês entoam as mesmas canções em prol de algo grandioso, e no meu ver que é até algo sobrenatural.

Você pode nunca mais vê-lo, mas na sua caixa de memórias vai lembrar daquele jogo e dos sorrisos presentes. E talvez você faça amizade com ele, aquela amizade de arquibancada.

Não sei se entenderam, ou se sentiram ou que eu quis dizer, mas me digam: quantas amizades vocês já ganharam ou fizeram quando estavam falando sobre o Fluminense? Tenho que dizer que eu tenho amizades assim e confesso: são as melhores.

Valorize um abraço de quem você ama, e também valorize o abraço que ganha no Maracanã, pois é um abraço cheio de energia tricolor.

São as pequenas coisas que nos fazem felizes; mesmo que seja por segundos e minutos, permita-se ser a criança peladeira, de pés descalços e armadura suja, demonstrando entrega e amor ao jogo. Mostrando lealdade ao Fluminense Football Club.

Falando em abraços, abrace o Flu; se puder, vá aos jogos. Vamos mostrar a força da nossa torcida. Independentemente de tudo, vamos apoiar, mas sempre cobrando quando for necessário.

Vamos deixar claro que o Fluminense não é brincadeira, pois ele é nosso legado.

Abrace a causa de ser sócio do Tricolor. Vamos fazer um Flu mais forte e independente.

Vence o Fluminense.

ST

Panorama Tricolor

@PanoramaTri

Imagem: google

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 caracteres